Top 20 – Riffs Metal Favoritos de Nefandagem

Olá amigos perdidos do blógue de Nefandagem, estava devendo algum post perdido faz algum tempo e… encostar na guitarra depois de algum tempo deu um pouco de inspiração pra escrever alguma besteira nova proceis, como o nome diz: São Riffs de Metal (com suas trocentas vertentes incluídas aí) e… são os Riffs favoritos desse cara besta que está escrevendo o post.

Qualquer outra hora pode sair um Top 20 – Riffs Hard Rock / Rock e qualquer coisa do tipo, mas infelizmente não teremos os poderosos riffs do POISON ou Mr. Big dessa vez e… acredito que não muito depois vou criar coragem de fazer um Top 20 dos solos favoritos no metal (ou no roque, nao sei ainda haha). Na verdade, o blógue já até tem um post de solos, mas foi feito trocentos anos atrás pelo glorioso Millão. Anyway, sambora.

Menção: Bark At The Moon (Link)

Só tá na menção porque tinha esquecido completamente e lembrei agora q terminei o post e nao quero editar TUDO eahueauhaeuhea

20. Bullet For My valentine – Hand of Blood (Link)

Hm, começando logo com uma pick estranha. Eu sei que poderia colocar um monte de outra coisa muito mais representativa pro METAL em si (o que vem na cabeça logo de cara quando falo isso é ter deixado de fora Princess of The Dawn do ACCEPT, ou ainda Metalized Blood do glorioso DESASTER), mas é bom pra deixar claro que não sou BIASED como acusam por aí HAHAHA.

Mas falando sério, coisa ou outra de Metalcore / EMOMetal calha de ser bem divertida. Não sou o maior entusiasta dos vocais chorosos e tudo mais, mas esse som tem uns riffs bem caprichados.

19. Avenged Sevenfold – Beast and The Harlot (Link)

Mais uma escolha que não acredito que os amiguinhos acreditariam que seria uma das minhas picks nesse trem. Não sou o maior entusiasta de Avenged Sevenfold e muitas vezes eles me parecem algo como um Iron-Maiden-Meets-Show-da-Xuxa (mesmo nessa música… o refrão é TOTALMENTE Planeta Xuxa).

Como o que conta aqui é gostar de um riff ou não… o Riff inicial dessa música é sensacional (mesmo o solo é bem legal) – ah. pós refrão também é bom que só a porra-, fora que o clipe é bem divertido. Baita som.

18. Mercyful Fate – Black Funeral (Link)

Não sei nem dizer se esse é de fato o melhor riff da banda do Rei Diamante, mas não da pra negar que a simplicidade dessa música é muito daora. Extremamente simples, o riff consegue passar bem o clima mais macabrão e DUMAU do Rei.

Tinha pensado também em colocar a House in Darkness da banda solo do Rei, especialmente porque Abigail é um SENHOR DISCO. Sorte que aqui estamos falando das guitarras bonitas e não do vocal -ame ou odeie- do Rei (eu to na trupe que acha fantástico, obviamente).

17. Queensyrche – I Don’t Believe in Love (Link)

Operation: Mindcrime é um dos cds mais respeitados do metal e com muitos bons motivos, entre eles temos essa queridíssima faixa. Durante muito tempo tinha essa música como toque do despertador e do celular em si e mesmo assim não consegui criar nojo por ela (o que seria bem natural pra musicas de despertar haha).

Ainda acho I Don’t Believe in Love a melhor música do Queensryche, mesmo achando Silent Lucidity uma das baladas mais bonitas ever (ainda mais quando nego resolve sair na porrada enquanto tão cantando ela haha) e Jet City Woman ter um dos sons de guitarras mais bonitos ever.

16. Death – Crystal Mountain (Link)

Chuck Schuldiner ETERNO. Poderia bem ter pego muitos outros belíssimos sons da fase mais antiga, mas meu cd favorito do Death é o Symbolic mesmo (alias… agora que escrevi parei pra pensar se não seria o individual thought patterns, enfim) e o line-up da banda nessa fase é até covardia.

Tá, poderia levar em conta só o riff, mas preciso lembrar os amiguinhos que temos o poderosíssimo trampo de Gene Hoglan nesse som e posso ficar com a mente tranquila porque o riff é mesmo delicioso. RIP CHUCK.

15. Blind Guardian – Script For My Requiem (Link)

Eu gostava MUITO, mas MUITO MESMO de Power e Melodic Metal; Dragões (que nerd não gosta de dragões?), espadas, magos, feiticeiros, magia, goblins, orcs, elfos (hoje eu gosto mais de anjos, mas enfim…). Mesmo não tendo mais aquela paciencia infinita de ouvir mais que duas ou três músicas na sequencia ainda valorizo muito o trabalho do Blind Guardian.

Se bem que… a banda tá num outro nível, especialmente quando a gente fala do trampo de guitarra, não é meramente aquela coisa feliz que você fica enjoado de ouvir depois de dois ou três minutos, os riffs que eles tiram geralmente são bem tesudos e acredito que Script seja o mais legal deles.

PS: Depois do Nightfall mais nada prestou haha

14. At The Gates – Blinded By Fear (Link)

Durante um tempo, basicamente tudo que eu ouvia o dia inteiro era Melodic Death da Suecia e não dá pra deixar de colocar um dos sons dos pais do MeloDeath da Suecagem. Só fiquei triste esses dias atrás que tavam falando que eles eram pais também do metalcore (não que não role influencia, mas…).

Esse riff é uma belíssima de uma obra que mostra porque MeloDeath é tão legal e porque Jespão gosta tanto desses sons, inclusive tem uma outra banda sueca que ele gosta bastante, mas deixo isso pra depois. Não confio em quem gosta dessas suecagens e não é entusiasta de Slaughter of The Soul. abs.

13. Down – Lifer (Link)

Pantera + Corrosion of Conformity + Crowbar e pessoas interessadas e tocar um bom som, sendo todos eles grandes fãs de uma banda aí que imagino que todos gostamos bastante ou apenas temos admiração: Black Sabbath.

Não sei dizer se é Sludge (chega um momento que eu fico mó perdido nas subdivisões), mas só tem monstro nesse negócio e esse riff é lindo. Só apreciem. Aproveitem e apreciem também Hail The Leaf, ótima música.

12. Dark Tranquillity – Punish my Heaven (Link)

MeloDeath! Suecagem! Seguindo os textos randoms sobre MeloDeath, acho legal salientar que tenho 2 camisas da Suécia, muito pela admiração musical. Po, os caras ofereceram Opeth pra gente né, além do Abba, obv.

Enfim, The Gallery é um dos mais belos cds da década de noventa, não acho ele melhor que The Jester Race ou Whoracle do In Flames (RIP), pena que ache o Dark Tranquillity instável. Eles fazem uns cds nota 10 e outros nota 2. BAITA RIFF isso aí. Antes eu era mó doido em poder ver os caras ao vivo, quando eles finalmente vieram eu já não tinha mais interesse😦

11. Arch Enemy – Seed of Hate (Link)

Hm… Acho que eu gosto bastante desse estilo mais Melodic Death Metal né? E Olha… outra banda Sueca, não é incrível? hahaha

Enfim, meu primeiro contato com a música, se não me engano, foi por meio da vinheta que tocava no backstage, fiquei doido e corri atrás pra descobrir de que música era aquilo. Bonito demais esses Riffs, mas… faz bastante sentido já que estamos falando aqui de Mike Amott. Só queria aproveitar e registrar que Arch Enemy com o Liiva era bem melhor que com a Angela Gossow (ainda q ela seja fantástica e tudo mais).

Preciso tomar coragem de baixar o material com a Alyssa, só não sei se vale o tempo e a energia haha

10. Symphony X – Of Sins and Shadows (Link)

Podem até falar que Prog Metal / Symphony X é um som chato, som de pura punheta, coisa de quem só gosta de técnica e todos os clássicos quando estamos falando do estilo, mas uma coisa não da pra negar: Michael Romeo sabe fazer belos riffs e sempre tira um time monstruoso de sua guitarra.

E quando falamos do Symphony X não dá pra deixar de falar desse som. Quando pude assistir a banda ao vivo fiquei impressionado com o impacto do riff na abertura do show. Ah, obviamente preciso registrar que Russell Allen é muito monstro.

9. Iron Maiden – Powerslave (Link)

Estamos falando aqui da faixa título de um dos discos que sempre estão em destaque quando falamos da discografia da Donzela -e muitos inclusive tem como favorito-. Uma regra básica que sempre coloco pra mim aqui é não colocar mais de uma música por banda e não foi uma das escolhas mais fáceis ever, mas o riff de Powerslave pode muito bem sintetizar o que é a banda.

Fora que o Live After Death é o melhor cd ao vivo da banda (disparado e sem comparação).

PS: Meu cd favorito é o Seventh Son.

8. Carcass – Heartwork (Link)

O QUE FALAR DESSE SOM QUE NA EPOCA EU MAL CONHECIA MAS CONSIDERAVA TANTO? Heartwork é dos discos mais belos que tive o prazer de escutar e era uma grandíssima saraivada de riffs insanos e músicas que estavam no NEXT LEVEL. Enquanto o Maiden estava na época de Fear of The Dark, o Carcass estava a lançar essa obra.

No show do Carcass no SANTANA HALL foi impressionante a força do riff e da música, a casa estava insana no momento e tenho certeza que a até a galera que tava la fora esperando pra poder entrar pro show principal -Carlcinha Preta- estava curtindo horrores.

7. Metallica – Ride The Lightning (Link)

Seria muito difícil fazer uma lista de Riffs Metal e deixar o gigante Metallica de fora. Imagino que muitos poderiam pensar em Master of Puppets como o Riff mais considerado da banda, mas cá entre nós: Ride The Lightning é muito mais cd e a faixa-título tem esse riff que NOSSASENHORA.

A banda ainda consegue lançar alguns riffs interessantes (tipo o de All Nightmare Long), mas chega a ser uma grande covardia PENSAR em comparar com o que eles fizeram no Ride, aqui caberia muito bem Creeping Death, For Whom, Fight Fire, bah, o cd inteiro.

6. In Flames – Artifacts of The Black Rain (Link)

Momento historinha chata que ninguém precisa/quer ler: Existia uma banda que o autor desse blógue gostava MUITO, mas tipo… MUITO. Era uma banda Sueca chamada In Flames, que era liderada por um guitarrista muito interessante de nome Jesper Strömblad que fazia um belíssimo de um som. O Autor do Blógue adotou no mIRC então o nick Jesper_Stromblad e ainda hoje leva em conta Jespão como um apelido muito querido e utilizado em diversos logins.

Infelizmente a banda começou a avacalhar a partir do lançamento de Reroute To Remain (que eu acho até legal ainda) e resolveu se tornar o IN LAMES a partir do GROTESCO Soundtrack to Escape -alguma bosta do tipo) e quando finalmente a banda veio para o Brasil foi pouco após a internação de Jesper Stromblad que acabou por sair da banda, obviamente não consegui ter coragem de assistir.

E não, não é a toa que eu tinha que ter pelo menos uma LTD Explorer. haha

Ainda me emociono sempre que escuto esse belo riff. RIP IN FLAMES.

5. Megadeth – Tornado of Souls (Link)

Chegando nesse Top 5 começa uma dificuldade da gota. é Sério, fiquei intercalando bastante os números #5 #4 #3 e em alguns momentos o #2, mas acabei achando do justo no final das contas.

Rust in Peace é um cd muito dos fodidos, que conta com, provavelmente, os dois maiores clássicos do Megadeth: Hangar 18 e Holy Wars, mas… a maior pérola do cd é Tornado of Souls e seus Riffs e Solo magníficos – Sério, Tornado tem o melhor solo do Heavy Metal e vai ser difícil tirar isso da minha cabeça -. Por sinal, Tornado of Souls também foi um dos motivos da vontade de escrever sobre riffs/solos.

E assumo que to curioso de ver o Kiko Loureiro na banda. Marty Friedman? Nunca Será.

4. Slayer – Raining Blood (Link)

Um dos primeiros sons que veio à minha cabeça quando iniciei o POJETO de escrever sobre riffs de metal. Bah! Não sei até que ponto teria que falar sobre Slayer e Raining Blood. Só se aproveitar pra falar quanto Reign in Blood e gigantesco e disparado o melhor cd de metal lançado em 1986 (desculpe, Somewhere in Time).

Outra música que foi surreal de ter a oportunidade de ver ao vivo. SLAYER!!!!!!

3. Pantera – Walk (Link)

Outra banda que foi escolha facil pra estar pelo menos no Top 8, e ficava tentando encaixar uma ordem Walk acabou calcando muitas posições.

O que Dimebag (RIP) fez aqui é que é tão simples, mas tão eficiente, agressivo, violento, desgraçado que somado ao insano Phil Anselmo virou uma grandíssima obra de arte. Pantera é outra banda que não dá pra acreditar numa pessoa que pelo menos não respeite hahaha.

PS: Inicialmente….era pra ser Cowboys, mas Walk é foda.

2. Judas Priest – Electric Eye (Link)

Quer mostrar pra uma pessoa o que é Heavy Metal?

Como funciona o estilo?

O Que seria um riff de metal ideal?

Judas Priest tem tudo que você precisa pra isso. Se possível, coloque com a The Hellion antes porque nisso já conseguimos ter a essência do estilo.

É outro patamar. Assim como a #1 mais fácil de todas….

1. Black Sabbath – Heaven and Hell

Tony Iommi é PAI.

Não consigo imaginar o que seria (e se seria) o tal do Metal se não existisse essa entidade dos Riffs. Poderia muito bem colocar vários e vários riffs sagrados.

Children of The Grave

Into The Void

Sweet leaf – Master of Reality é Insano, né? haha

Sabbath Bloody Sabbath

mas… tinha que escolher UMA no meio de tantas e segui meu coração.

Bom, é isso aí amiguinhos, ficou longo pra cacete, mas já que eu fiz essa cagada de não dividir o post em duas partes pra fazer logo de uma vez pra sair… espero que tenham curtido e que venha uma saraivada de reclamacoes, se possível :v abs

Sobre Jespinho

Sub-Sub-Sub-Celebridade, Ranzinza, Resmungão, Puto, Apreciador/Pseudoentendedor de Cerveja, Apreciador de Futebol e Basquete Pragmático. Um dos piores guitarristas que você verá na vida... Entusiasta de Desafinadas nos Karaokes da Liberdade.
Esse post foi publicado em Guitarra, Música Nefanda, TOP, Top 20 e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s