Kouhaku Utagassen 2015: Resenha e Resmungos

Faz um tempinho que não brincava de fazer uma resenha nefanda do programa mais querido da televisão brasileira (obviamente do ponto de vista desse blogueiro ridículo). Consegui, estranhamente, me empolgar de escrever um pouco das minhas impressões da última edição.

Pros amigos que não tem a mínima noção do que ocorre nisso: É uma “batalha musical” pra celebrar o fim do ano japonês, com o Time Vermelho (com as mulheres, bandas de voz feminina ou com predominância feminina) e Time Branco (dos hôme, duh).

Se você é muitofanboy ou fangirl de alguma das bandas bizarras que se apresentaram, eu realmente não recomendo muito a leitura, mas deixo o parabéns por você ter conseguido chegar nesse post.

Infelizmente, a NHK e afins tiram basicamente todos os videos de Kouhaku do youtube, então vou tentar linkar pra vocês pelo menos algumas versões antigas ou clipes das músicas apresentadas, pq… sei la, vai que alguém se interessa por alguma coisa nesse trem.

Vamos começar os resmungos?

Primeiro Bloco

Go Hiromi x Ohara Sakurako: Bizarramente, achei a apresentação do Go Hiromi BEM DIGNA pra abrir o Kouhaku, Exotic Japan é uma música bem divertida pra dar aquela animada inicial. Enquanto a moça estreante não foi uma das piores coisas que vi -tá, até achei bem ok-, mas foi uma música muito calma pra abrir pro Akagumi.

Sexy Zone x Godai Natsuko: Sexy Zone é uma grandíssima PILHA DE BOSTA, entendo que tão lá pelo apelo comercial, mas é pior que ficar com caganeira longe de qualquer banheiro. Godai Natsuko interpretou Tokyo Gorin Ondo, lançada em 1963 para os Jogos Olímpicos de Tokyo 1964. Obviamente, homenageando a escolha de Tokyo como sede dos Jogos Olímpicos de 2020. (Aqui tem a versão original, do Minami Haruo).

Nogizaka46 x Miyama Hiroshi: Outro Pop x Enka. Veja bem, eu gosto de ver umas guriazinhas dançando e cantando felizes, mas não consigo ver muito talento em Nogizaka46, ainda tenho aquela baixa impressão que não passa de um AKB48 DE QUARTA LINHA (mas sei la… respeito demais Akimoto Genius, alguma coisa tem que ter ali). Enquanto Miyama Hiroshi vai sendo colocado pra continuar existindo Enka no programa, um bom cantor, mas ainda não consigo ver nada exatamente especial, a música é muito boa, mas parece que ainda falta algo, não chegou de assalto como Hikawa Kiyoshi.

E-Girls x Sekai no Owari: Honestamente, acho E-Girls uma BELA DE UMA BOSTA, seria o “Sister-Group” do EXILE, mas é só uma grande bosta que só parece ser uma bandeca de K-Pop de quinta categoria (porra Avex, vcs conseguem coisa melhor). Sekai no Owari até que é bem intencionado, mas ainda acho CHATO PRA CARALHO.

Sakamoto Fuyumi x Tokunaga Hideaki: Fico bem triste de ver Sakamoto Fuyumi cantando tão no começo, ainda mais quando ela está a interpretar a fantastica Iwai Zake. Gosto de Tokunaga Hideaki, mas entendo que a voz dele é bem ame-ou-odeie, Jidai funcionou muito bem com as imagens que passavam no telão.

Segundo Bloco

Considerarei a Parte Especial -Anime Kouhaku- como o início do Segundo Bloco, e vou ser bem sincero, foi bem mais divertido que eu esperava, ainda mais quando tem algumas gurias de AKB48 cosplayando Sailor Moon e cantando Moonlight Densetsu (baita música haha) + Temas de Gundam, Astro Boy, Chibi Maruko (esse é dos temas de anime mais legais de todos, EASY), Evangelion (pena ter sido tão curto).

μ’s x Yamauchi Keisuke: As meninas do μ’s seguiram a onda do Anime Kouhaku e sua onda de sucesso no Japão, mas honestamente? MÓ BOSTA. Puta Grupo HORROROSO. Yamauchi me empolgou bastante, tem menos rodagem que o Miyama Hiroshi, mas mostrou uma baita segurança no palco da NHK. Bom nome de Enka pros próximos anos.

AAA x Hoshino Gen: A única coisa expressiva desse pareamento foi a RUINDADE do AAA, ta cada vez pior, sei la como ainda resiste no programa. Um monte de rateada no vocal que me dava até agonia. To com preguiça de achar a música pra linkar (ok, ta aqui o AAA e aqui o Hoshino).

Shimazu Aya x Gesu no Kiwami Otome: Enka vive! Baita participação da Aya, q tem uma BAITA DE UMA VOZ. E Gesu foi um caso bem interessante, achei o som dos caras BEM LEGAL, mas o problema é que o vocalista tem uma performance HORROROSA AO VIVO, o que é uma pena, porque essa banda indie jp vale bem a pena se conferir!

Fuji Ayako x Yuzu: Mais Enka x Pop. Ao contrário do meu pai, não sou o maior fã de Fuji Ayako, só dá pra destacar que as menininhas do Nogizaka dançando no fundo deu uma certa vergonha. Enquanto Yuzu fez o seu serviço de sempre, musiquinha agradável e bonita que a essa altura já esqueci.

miwa x Hikawa Kiyoshi: Acho miwa mais sem sal que chuchu, mas tem bastante fã né? Fazer o que?. Hikawa Kiyoshi precisa tomar algum rumo mais sério na carreira. Sua performance ultra afetada já tá cansando e isso fica um tanto claro quando ele é deslocado pra parte pre-News.

Tá estiloso demais o Hosokawa todo gatão com a Sayaka

Hosokawa Takashi x Wada Akiko: Duelo de cachorro grande da música japonesa. Akko é uma das artistas mais queridas do meio e mandou muito bem (como sempre). Enquanto o glorioso Hosokawa, uma das vozes mais potentes do Enka, apresentou uma das antigas, Kokoro no Kori, baita música legal, fazia bastante tempo que não ouvia.

Kanjani8 x Tendo Yoshimi: Kanjani é UMA MERDA MOLE. EM compensação, a Tendo Yoshimi mandou MUITO BEM interpretando Jinsei Ichiro da maior cantora japonesa de todos os tempos, Misora Hibari, com MUITA SEGURANÇA. Com certa facilidade o melhor momento do Kouhaku pre-news. (Aqui a música da Hibari)

Pós News – Terceiro Bloco

NMB48 x Saidaime J Soul Brothers: NMB48 foi uma grata surpresa. Tenho certo preconceito com os grupos irmãos do AKB48, mas a Música Tema da Novela Matinal da NHK é Muito bonita e assumo que acabei virando um Sucker da Yamamoto Sayaka por causa dessa música, não duvido de ela ser um nome forte no AKB pós-Takamina, muito linda e foi uma ótima lead na música ao lado do AKB48. Sandaime foi BROXANTE, uma banda que ganha 2 Record Taishos (sei la como) não pode ser tão medíocre.

Sayaka❤

Fukuyama Masaharu x Mizumori Kaori: Masaharu estava fazendo um show de comemoração de 25 anos de carreira em Yokohoma e obviamente mandou MUITO, é um baita de um artista (outro grande momento do Kouhaku, sem duvida alguma, não consigo resistir a Sakurazaka, ainda que as outras do medley tb tenham sido muito bonitas). Mizumori Kaori aparentemente quer pegar o Legado de Kobayashi Sachiko de performances exageradas.

Ikimonogakari x Tokio: Bom Duelo Pop. Sou grande fã de Ikimonogakari e Arigatou é um dos sons J-Pop mais bonitos dos últimos 10 anos, homenageando o mangaka q inspirou a novela que tinha esse som de tema. Tokio partiu para um som das antigas também e não foi dos mais decepcionantes, tocaram essa mesma música numa versão bem melhor em 2003, mas… o tempo passa ne haha

Shina Ringo x Arashi: Não sou maior fã de músicas vocaloid e afins, achei a apresentação da Shingo UMA MERDA (a melodia é legal, mas nem assim consigo aceitar). Assim como foi uma grandíssima pilha de merda os grotescos do Arashi, com uma entrada Jedi que me fez querer arrancar os olhos (na verdade só fui preparar mais café).

EXILE x AKB48: Os atuais DEUSES e DEUSAS do J-Pop em um baita de um duelo. Exile com 3 membros graduando e AKB48 na última performance em Kouhaku/TV da integrante que é sua cara (especialmente após a saída de Atsuko Maeda e Yuuko Oshima). EXILE sempre faz seu serviço muito bem (só acho q Rising Sun já tá enjoando), mas preciso escrever um pouco sobre a performance do AKB48 porque… isso foi meio o que me motivou a escrever esse review porco.

UM CAPÍTULO A PARTE: AKB48!!!

Ok, vou ser bem sincero que não esperava muita coisa da apresentação do AKB48, imaginava que o MEdley dele teria Kuchibiru ni Be My Baby (que honestamente, achei um dos sinles mais chatinhos delas nos últimos tempos, ainda mais sendo o carro chefe de venda esse ano.)

Mas tudo tinha pra ser mais especial por ser a última apresentação em Kouhaku com Takahashi Minami. Começando com Aitakatta, uma música muito feliz, no melhor estilo dos primeiros anos do grupo, com um pequeno showzinho de mágica pra dar um toque a mais.

    

As coisas mudaram TOTALMENTE de rumo quando entrou FLYING GET com a participação especial da fantástica Atsuko Maeda (provavelmente a integrante mais popular da história do grupo), que habvia graduado entre os anos de 2011-12. Realmente uma grande surpresa, inclusive para as próprias integrantes, já ficou bem na cara pelas diversas reações que simplesmente não havia nada combinado/ensaiado, Takamina simplesmente tiltou com a situação. E é simplesmente fascinante a diferença que a Acchan faz.

 

Porém, as coisas não poderiam simplesmente parar por aí e ao terminar o som, já com a Takamina tiltada. Quando as coisas se encaminham para Heavy Rotation (provavelmente minha música favorita do grupo), temos a aparição DAQUELA LINDA da Yuuko Oshima – A guria que sempre disputou a posição de maior popularidade com Acchan – Nessa hora, Takamina que, já tiltada, simplesmente não aguentou com a preseça de Yuu e basicamente desababou com a presença da velha companheira (graduada em 2013, no próprio Kouhaku).

Era um grupo totalmente diferente com Takamina novamente ao lado de Acchan e Yuuko. Uma energia extremamente positiva, fechando com Koi Suru Fortune Cookie, uma belíssima de uma música, elogiada inclusive por pessoas que você nem espera que falem muito dessas canções de Idol-Groups. Estava bem estampado no rosto das integrantes a alegria de se apresentarem juntas novamente.

Certamente, o melhor momento de todo Kouhaku esse ano e um dos melhores momentos de Kouhaku na década. Assumo que não sei exatamente será do AKB48 sem os seus três grandes pilares (Takamina sempre teve uma das vozes mais fortes de todo grupo), ficaria bem satisfeito se Akimoto Genius tentasse partir pra Sayaka (já falei isso mais cedo, certo?)

Enfim, se conseguirem achar o vídeo da apresentação no youtube está muito mais que recomendado. Não coloco isso no youtube ou mesmo linkado aqui pois sei que a tendencia do video ser deletado muito rapidamente é bem grande, mas vou tentar deixar um aqui por enquanto, vai… é tão bonito!). Vamos seguir?

(Crédito das fotos vai pras interwebs, logo deve sair do ar tb haha)

Hana wa Saku: Relembrando 5 Anos do Tsunami: Foi bonito, como sempre e mais legal por ter o glorioso YOSHIKI, a lenda do X Japan, no piano

Quarto Bloco

Superfly x Golden Bomber: Ao longo do tempo, Superfly sempre me surpreendeu positivamente pela sua potente voz e achei uma boa adição pro programa. Só não acho que precisava ser tão pro final. Enquanto Golden Bomber só me deixa chateado. É engraçadinho, mas já deu no saco essa porcaria cantando a mesma música.

Nishino Kana x Bump of Chicken: Pareamento sem sal. Kana é uma cantora OK que canta músicas ok, mas não tem nada de especial, o mesmo caso é Bump of Chicken que faz sua estreia no programa. Acho artistas válidos de se ter no programa, mas não tão pro fim.

Ishikawa Sayuri x Itsuki Hiroshi: Tsugaru Kaykyou Fuyugeshiki é um dos enkas mais bonitos de todos os tempos, mas assumo que já estou um pouco enjoado desse revezamento dela com Amagigoe, acabou tornando algo muito bonito em um troço extremamente carne de vaca. Enquanto Itsuki Hiroshi partiu pra uma boa música mais antiga, mas adoraria vê-lo cantando alguma música antiga mais impactante: Shiawase Sagashite, Chigiri, Sanga ou NOREN (mas ano passado ele já teve esse momento com Yokohama Tasogare, acho q tá perdoado).

V6 x Perfume: OS tios do V6 fizeram uma boa apresentação, mas como não sou grande entusiasta desses johnnys acabei nem me empolgando. Já Perfume sempre achei uma grandíssima de uma bosta que no máximo agrada visualmente, mas… também tem muitos fãs… o que fazer?

Kobayashi Sachiko: Como participação especial achei legal e engraçado. O Naipe da bizarrice na apresentação atingiu níveis extremos aeuheahuea. Não sei se realmente cabe como atração do programa em si, a não ser em alguma situação especial que ela cante Yuki Tsubaki só com Kimono – A apresentação do ano que ela fechou o Kouhaku foi um grandíssimo momento -.

Parte Final

X Japan x Misia: Misia fez uma bela participação, lembrando os 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, cantando ao vivo do Memorial da Paz de Nagasaki e um GRANDÍSSIMO RETORNO do X-Japan aos palcos do NHK Kouhaku Utagassen depois de 18 anos. Curiosamente, na sua última participação eles mandaram Forever Love, exatamente a música que eles abriram seu Medley. Poderia facilmente ter fechado o programa com muitas honras.

Miwa Akihiro x Rebecca: Akihiro é ULTRA TEATRAL e chega a me incomodar um pouco, enquanto Rebecca é chato e ruim pra cacete. Foi meio tenso pra alguém que esperava algo mais marcante, como eu.

Imai Miki x SMAP: Legal resgatarem Imai Miki, só não sei pq diabos deixaram tão pro final (Piece of My Wish é uma musica muito bonita de 1991, acabo dando um tanto de valor pra esses sons bonitos dos anos 90, sinto um tanto de falta disso no j-pop atual) e SMAP é SMAP, gigantescos no Japão e fecharam muito bem esse ano que eles deram voltas pelo Japão ao lado do Nodojiman (Amateur Singing Contest), últimos anos vinha acando a banda bem decadente, mas….

Line-up de respeito pra apresentar Mori Shinichi

Takahashi Mariko x Mori Shinichi: Resgatar Mariko foi uma bela ideia da NHK, nesses últimos anos foi bem interessante relembrar como For You… é uma bela música e esse ano não foi diferente, uma boa apresentação. Porém, é difícil não destacar Mori Shinichi que celebrava 50 anos de carreira e sua última participação em Kouhaku Utagassen. Não faz o mínimo sentido não tê-lo fechando o programa. Honestamente, isso foi uma grandíssima falta de respeito, mesmo que ele não esteja tão em forma como foi com Saburo em sua última participação. Nao faz nenhum sentido outra lenda do Enka não ser ootori.

Masahiko Kondo x Matsuda Seiko (Fechamento)

Parece que o tempo de fechamentos épicos ou marcantes se foram mesmo. Por mais que Macchi estivesse celebrando 35 anos de carreira, não consigo aceitar bem essa posição no mesmo ano de despedida de Mori Shinichi, poderia muito bem ser o penúltimo e seria bem legal pela celebração.

Assim como também não consegui me emocionar o suficiente com o fechamento de Matsuda Seiko com Akai Sweet Pea, mesmo ano passado eu também já não tinha ficado muito impressionado ao som de Anata ni Aitakute (e olha que essa é uma belíssima de uma ballad). Foi bonito, mas realmente não parecia um final de Kouhaku.

Recentemente tivemos a despedida do glorioso Kitajima Saburo como referência, mas mesmo antes disso alguns finais com Dreams Come True e SMAP acabaram sendo bem broxantes. Enquanto performances que deixaram em penúltimo foram bem superiores (podemos perceber isso facilmente lembrando de Ayaka cantando Minna Sora no Shita antes de seu ano sabático pra cuidar da saúde ou mesmo de Ikimonogakari interpretando a lindíssima Kaze ga Fuite Iru)

OVERALL

Kouhaku Utagassen 2015 foi melhor que 2014, mas ainda está longe de ser o ideal. Esse ano em especial senti uma distribuição meio ruim de artistas. Alguns blocos pareciam meio desencontrados, ou com pouca variação de estilos. Por mais que Enka esteja longe de ser o estilo mais popular do universo, é sempre uma boa opção pra quebrar um pouco o ritmo dos pops. Isso é facilmente perceptível no “Terceiro Bloco”.

NHK precisa encontrar fechadores de Kouhaku mais impactantes, mais um ano de Matsuda Seiko não vai colar. Vão confiar em Itsuki Hiroshi num bom ano pra fechar com uma Noren ou Sanga? Não nego que acharia muito bom.

AKB48 foi algo que não esperava ter curtido tanto. Foi realmente uma grande surpresa e um grande momento. Faz tempo q não via algo tão natural e que o artista se sentia tão bem no palco.

Agora só ano que vem né?

Top Picks

1. AKB48

2. X Japan

3.Tendo Yoshimi

4. Fukuyama Masaharu

5.NMB48 (!)

Bizarramente, tenho 2 AKB Groups no meu top picks, além de dois monstros de pop/rock japonês da década de 90. E com certa tristeza, tenho apenas Tendo Yoshimi como destaque pro lado do Enka, faltou alguma coisa de mais impacto pra realmente me emocionar ou surpreender de verdade. Não acho que o estilo tenha morrido ou seja TÃO OBSOLETO quanto muita gente vê, ainda mais com um pouco de renovação por parte masculina, mas tem que ver até que ponto essa gurizada consegue realmente se estabelecer como grandes artistas que duram por um bom tempo no programa.

Não queria ser um saudosista chato de achar que o programa precisa de muito mais Enka e que todos os pops são uma porcaria, isso seria uma maldade e mentira. Porém, não vou negar que adoraria poder ver Yoshi Ikuzo cantando SakeYo, Yamamoto Jooji com Michinoku Hitori Tabi ou mesmo poder rever Tanimura Shinji interpretando a magistral Subaru, mas se for pra ter eles voltando apenas pra ter uma participação pequena na primeira parte do programa é melhor nem rumar por esse lado.

Feliz 2016!🙂

(Espero voltar a postar aqui logo. To enrolando faz muito tempo pra lançar o Top 50 de músicas Japonesas por Nefandagem)

Sobre Jespinho

Sub-Sub-Sub-Celebridade, Ranzinza, Resmungão, Puto, Apreciador/Pseudoentendedor de Cerveja, Apreciador de Futebol e Basquete Pragmático. Um dos piores guitarristas que você verá na vida... Entusiasta de Desafinadas nos Karaokes da Liberdade.
Esse post foi publicado em Música Nefanda, Musas, Niponicidade, Review e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s